quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

O Comandante Geral intensifica todos os dias a busca por melhorias aos Policiais Militares, junto ao Governo do Estado. Acreditem!!

Policial Militar,

Mais um passo na política de Valorização do Policial Militar foi dado em relação ao ALE (Adicional Local de Exercício).

Levo ao seu conhecimento que as negociações a respeito do ALE atingiram seu ápice, ocupam destaque na mesa de discussões e acredito teremos êxito nas nossas postulações.

Ratifico a marcante atuação do Secretário da Segurança Pública junto ao Governador, que vê a Polícia Militar como Instituição firme e eficaz no seu governo, apontando os excelentes resultados obtidos na área da segurança pública.

Em todas as tratativas mantivemos os objetivos iniciais da proposta, que são:

- reduzir as diferenças do ALE entre cidades;
- levar o benefício na reforma/reserva;
- incluir os veteranos e pensionistas
.

Vamos aguardar os próximos passos, cujo impacto financeiro é o maior obstáculo. Tenha a certeza de que o Comando está atento e que, no momento, a situação é bastante favorável. O Governo está sensível ao atendimento de nossos anseios e em breve deverá se manifestar a esse respeito.

Acompanhe as notícias dessa proposta e outros temas de interesse pela intranet, o canal oficial de divulgação dos assuntos da nossa Instituição.

Confie no Comando, confie no Governo e aguarde notícias.

Conte sempre com o Comando.

ALVARO BATISTA CAMILO
Coronel PM Comandante Geral

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Mudar a denominação de "Polícia Militar" para "Força Pública"


VÍDEO da mensagem do Comandante Geral sobre a nova denominação:





Você já deve ter ouvido falar que o Comando Geral está propondo a modificação da atual denominação da Instituição de “Polícia Militar” para “Força Pública”. Isso é verdade.


A iniciativa, que contou com total apoio do Secretário da Segurança Pública e do Governador do Estado é uma forma de homenagear o passado histórico de nossa Instituição e demarcar, definitivamente, sua aproximação com o cidadão e com a comunidade paulista.


Não sei se você sabia, mas a denominação “Força Pública”, que já foi utilizada por nossa Instituição, é fruto dos princípios e ideais que inspiraram a Revolução Francesa de 1789 e materializada na Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, que assim proclamou:


Art. 12º. A garantia dos direitos do homem e do cidadão necessita de uma "força pública". Esta força é, pois, instituída para fruição por todos, e não para utilidade particular daqueles a quem é confiada. (grifei)


Art. 13º. Para a manutenção da "força pública" e para as despesas de administração é indispensável uma contribuição comum que deve ser dividida entre os cidadãos de acordo com suas possibilidades. (grifei)


Daí a razão pela qual, no início da República (1891), a força militar estadual receber, pela primeira vez, o nome de “Força Pública”.


Em sua longa história de serviços prestados aos cidadãos, ao Estado e ao Brasil, a força policial estadual já ostentou por quase 80 (oitenta) anos a denominação “Força Pública” — de 14/11/1891 a 27/6/1901, de 28/11/1905 a 21/12/1939 e de 09/07/1947 a 08/04/1970.


Vê-se, assim, que a denominação “Força Pública” somente foi alterada em momentos de crise institucional e instabilidade democrática do País, cujo último ato resultou da unificação da Força Pública com a Guarda Civil, nos idos de 1970.


Agora, decorridos quase quarenta anos do uso da atual denominação, a qual, indubitavelmente, acarreta à Instituição enormes dificuldades junto à sociedade para compreensão de sua missão, oportuniza-se a possibilidade de resgatar a denominação “Força Pública”, como a instituição policial militar da grandeza de São Paulo, cujo compromisso é a “defesa da vida, da integridade física e da dignidade de pessoa humana”.


Resultado do contínuo aperfeiçoamento da nossa Instituição em busca da excelência, a mudança do nome vem consolidar mais um passo em nosso processo de gestão, de respeito aos direitos humanos e de polícia comunitária


Lembro a todos que continuaremos a ser militares estaduais, continuaremos a ser denominados "policiais militares", continuaremos a ter a designação "PM" na tarjeta, continuaremos a ser regidos pelas colunas mestras da hierarquia e disciplina, ou seja, sem perder a identidade de “policiais militares” e nem os direitos e vantagens conquistados, mantendo-nos fiéis aos valores e deveres que nos diferenciam como profissionais de segurança pública.


Por todo o exposto e por tudo que a proposta representará para o futuro de nossa Instituição e de todos nós, contamos com seu apoio e compreensão, pois temos a firme convicção que a alteração constitucional significará um novo marco para o Estado de São Paulo e para a Segurança Pública, que poderá retomar o brado declamado por Guilherme de Almeida e cantado pelos nossos cem mil homens e mulheres que atualmente a compõe que assim diz: “...seus passo deixam, fundo, na terra, rastro e raízes: é a Força Pública...”


"Força Pública, uma Instituição da grandeza de São Paulo".


Obrigado a todos pela colaboração.

Contem sempre com o Comando.


ALVARO BATISTA CAMILO

Coronel PM Comandante Geral